A Suprema Felicidade (2010)

Origem: Brasil    a-suprema-felicidade 1

Diretor: Arnaldo Jabor

Roteiro: Arnaldo Jabor

Com: Marco Nanine, Elke Maravilha, Dan Stulbach, Mariana Lima, Jayme Matarazzo, Maria Flor, Maria Luísa Mendonça

Não se iluda pelo título!

Assim como o La dolce vita de Fellini não tem nada de doce, A Suprema Felicidade de Arnaldo Jabor também não tem nada (ou quase nada) de feliz!

Ao contrário, o filme é pesado, carregado de amargura, de nostalgia, apresentando-nos uma felicidade tangível sim, mas bem difícil de ser apalpada pela maioria de nós, mortais.

A história se passa no Rio de Janeiro, pós II Guerra Mundial, e é centrada na vida de Paulinho (Jayme Matarazzo), um menino de classe média, filho de um pai piloto da FAB (Dan Stulbach) e de uma mãe dona de casa (Mariana Lima). Mesmo caso de Jabor, ele próprio filho de um pai da Aeronáutica e de uma mãe dona de casa.

O filme nos coloca diretamente no Rio das marchinhas, da boemia, do Carnaval, do malandro, das prostitutas. Mas tudo soa meio artificial, exagerado, ensaiado, coreografado, como num espetáculo do Eldorado.

Jabor – que começou sua carreira no efervescer do Cinema Novo (anos 60), e que a interrompeu na era Collor (anos 90), dedicando-se desde então ao jornalismo, com seus textos ácidos, de crítica super afiada, irônica, atacando tudo e todos –  volta às telonas com um filme impregnado de seu estilo “verborrágico”.

Dá para reconhecer Jabor em várias falas dos personagens. E se fecharmos os olhos, podemos nos imaginar diante da CBN, do Jornal Nacional ou do Fantástico.

Um filme PRA PENSAR e PRA SE ANGUSTIAR.

Para ler a crítica completa vá ao Blog do CEBRAC – Centro Brasil Cultural  (http://blogdocebrac-acervo.blogspot.ch/).

~ by Lilia Lustosa on março 26, 2013.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

 
WP Like Button Plugin by Free WordPress Templates